domingo, 31 de julho de 2011

Cristo redentor na Cinelândia

Cristo Marcia A guia Márcia Teixeira publicou esta foto da réplica de estauta do Cristo Redentor na Cinelândia, parte dos atos comemorativos pelos 80 anos da inauguração.

Além da Cinelândia, a réplica irá visitar outros pontos da cidade como Complexo do Alemão, Barra da Tijuca, Aterro do Flamengo, Central do Brasil, praça Saens Peña, Madureira, Santa Cruz, Cacique de Ramos, Ipanema e Lagoa Rodrigo de Freitas, no dia 7 de agosto, finalizando o circuito.

Segundo Eduardo Maruche, que coordena as atividades em comemorção aos 80 anos do Cristo Redentor no Corcovado, a réplica da estátua teve a mão quebrada depois que uma pessoa se encostou nela para tirar uma foto.

"A gente pede para que não encostem na estátua, mas ela não é cercada. Uma pessoa encostou, derrubou a réplica no chão e acabou quebrando a mão esquerda", contou Maruche. Uma equipe de restauração da escola de samba Beija-Flor, que fez a réplica, realizou o conserto.

(FOTO Márcia Teixeira)

Fonte: http://g1.globo.com/vc-no-g1/noticia/2011/07/replica-do-cristo-redentor-visita-bairros-do-rio-de-janeiro.html

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Mestres da Gravura no Centro Cultural dos Correios

MESTRES DA GRAVURA

A PARTIR DE 28 DE JULHO ATÉ DE 18 SETEMBRO

CENTRO CULTURAL DOS CORREIOS

APERTURA

27 DE JULHO ÀS 19 AS 22 H.

VISITA GUIADA COM A CURADORA

FERNANDA TERRA

NO DIA 3 DE SETEMBRO, ÁS 15 H.

 MESTRES DA GRAVURA

MESTRES DA GRAVURA 2

MESTRES DA GRAVURA 3

quarta-feira, 13 de julho de 2011

História do Turismo no Rio de Janeiro

ESPAÇO CULTURAL FGV( Fundação Getúlio Vargas)

Rua da candelária, Nº. 6 - Centro - Rio de Janeiro

- a 50 metros da entrada do Centro Cultural Banco do Brasil -

A exposição é simples, mas tem boa distribuição de informação escrita e visual na entrada da FGV. O que se destaca é o Folheto, um verdadeiro mini-livro com um belo resumo do histórico do Turismo no Rio, e uma Cronologia estampada no chão do salão.

Envio aqui uma PÉROLA desse folheto, destacando a falta de GUIAS em 1907:

Em 1907, chegou ao Rio o navio Byron, trazendo um grupo de turistas na primeira viagem à América do Sul promovido pela filial de Nova York da agência Thomas Cook, pioneira no turismo internacional. O periódico Correio as Manhã aproveitou a oportunidade para desfiar um rosário de lamúrias sobre a ausência de infra-estrutura turística e as precárias condições de receptividade oferecidas aos visitantes:

“O que é de lamentar é que ao encontro desses excursionistas não possamos mandar cicerones habilitados, que os guiem inteligentemente, ministrando-lhes informações seguras e minuciosas acerca dos acontecimentos mais notáveis de que tem sido teatro a nossa capital, das transformações já realizadas e em via de realização, das belezas naturais que adornam, das nossas tradições, da vida, enfim, de uma grande cidade, sob os múltiplos aspectos por que pode ser encarada no espaço e no tempo”.

Folheto da Exposição Turismo no Rio de Janeiro – Bianca Freire-Medeiros / Celso Castro.

 2011-07-12_16-31-34_147  2011-07-12_16-39-31_3  2011-07-12_16-31-11_895

Fotos – Gerardo Millone.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

UM "DEUS CARIOCA" COM NOME DE "DEUS GREGO" NO RIO DE JANEIRO

Elegância, simpatia, charme, encanto... Tudo sobra em Manoel Dionísio, O MESTRE DIONISIO! No Espaço Centro Cultural dentro do Sambódromo (hoje desativado pelas reformas, funcionando na Cidade do Samba), uma visita não era completa como quando ele estava no lugar e cruzava umas palavras com o grupo de turistas. Nem é necessário explicar que estamos frente a uma celebridade do Carnaval do Rio. Um verdadeiro Carioca, porém, nascido em Alem Paraíba, Minas gerais, e desde os 9 anos morando na Capital, no Rio! “Fui engraxate quando morava na Praia do pinto. Aos 12 anos comecei a participar do teatro na comunidade”. Morou depois em Pavão Pavãozinho, onde criou a família, e foi, entre tantas coisas, diretor da ainda existente Escola de Samba Alegria da Zona Sul.


Lembra feliz que na época que foi parte da Mangueira comprou casa em dois anos! “Outros tempos!”. E logo confessa que é Salgueirense porque isso não significa dinheiro, mas sim uma enorme felicidade. Ultimamente, em 2009 e 2010, participou junto à tantas vezes ganhadora Beija Flor.

“Foi em 1955 quando integrei o ballet afro-brasileiro da Mercedes Batista, a primeira bailarina negra do Municipal, que a minha vida mudou”. A luz de show, a dança e carisma entraram nele e nunca mais abandonaram a este excelente artista.

Ele já fez tanta coisa, que seria muito para listar aqui, mas, sem dúvidas, ajudar a criar o espaço que divulga o Carnaval aos Turistas no Sambódromo, faz ele merecer medalha de Embratur. Mas ele já ganhou várias medalhas e honras, até uma de ouro por mérito artístico da dança do Conselho Internacional de França. Na Europa existe outro país presente na vida do Dionísio, ele morou 14 anos na Alemanha, de ´68 até ´82, quando foi parte do grupo “Os Diabólicos do Samba”.

Como trabalho social, deve-se destacar a coordenação da Escola de Mestre Sala e Porta-Bandeira é um trabalho que forma novas gerações para que essa enorme máquina que é o carnaval Carioca não pare, alimentada com o talento de muitos, e a herança que deixam para novas gerações.

Dionísio não fica no passado, em 2010 se apresentou no teatro na excelente obra Arquitetura do Samba, e opina duramente sobre a incorporação de culturas estrangeiras dentro do desfile da Sapucaí: “Temos muita coisa nossa para mostrar melhor que o Homem-aranha! E agora até temos Carnavalesco se inspirando na Disney, e isso não é necessário”.

Não é a toa que o Dionísio, o outro, foi deus das festas e  na Grécia! Aqui no Rio, este nosso Dionísio, é um carioca de alma que faz honra ao seu nome e mantém viva a arte e a alegria do Carnaval, oferecendo sorrisos verdadeiros a quem visita Rio e tem a possibilidade de conhecer um pouco mais de uma festa única celebrada uma vez por ano e vivida todos os dias por quem cuida sua existência.

Gerardo Millone, 2011.