quarta-feira, 31 de março de 2010

Operações de embarque no Aeroporto do Galeão mudam dia 6

JB Online-31/03/2010
A administração do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro informa que, a partir do próximo dia 6, as operações de embarque doméstico do Terminal de Passageiros 1 serão realizadas pelo setor de embarque B.
Nesta mesma data, o setor de embarque doméstico A entrará em obras de revitalização e modernização.
Enviado pela Guia Angêlica Monnerat

domingo, 28 de março de 2010

O Censo da Mata Atlântica

O lvro "Plantas da Floresta Atlântica" censou as espécies existentes até hoje
Marcelo Gigliotti, Jornal do Brasil - JB on line 25/03/2010

Quem mora no Rio de Janeiro convive com ela todo dia. Cobrindo os maciços, adornando o Corcovado, marcando presença e enchendo de vida toda a cidade. Porém, a Mata Atlântica, um dos ecossistemas mais ricos em biodiversidade do planeta, e uma dádiva para o carioca, perdeu 89% por cento de sua cobertura original. Mesmo no Rio, são poucos os remanescentes virgens desta riqueza, uma vez que boa parte dela, como a Floresta da Tijuca, foi devastada e depois reflorestada. Esta situação levou cerca de 200 cientistas de todo o país a se mobilizarem para sua preservação. E o primeiro passo foi dado com a elaboração de um censo das espécies vegetais, o livro Plantas da Floresta Atlântica.

No Rio de Janeiro há remanescentes de Floresta Atlântica original nas encostas entre o Jardim Botânico e a Vista Chinesa, no Maciço da Pedra Branca, na Área de Proteção Ambiental de Gericinó-Mendanha e na Ilha da Marambaia, segundo o pesquisador Marcus Nadruz, do Jardim Botânico, um dos autores do livro.

Nada menos do que 15.782 espécies vegetais foram catalogadas no livro, um trabalho pioneiro, que reuniu informações que estavam dispersas em diversas instituições científicas. Este volume de plantas representa 5% da flora mundial.
 – Um dos aspetos importantes deste levantamento é a constatação que 45% das espécies listadas (7.155) são endêmicas, isto é, só ocorrem na Mata Atlântica. Isto mostra a nossa responsabilidade com a própria humanidade em preservar este ecossistema – diz um dos editores do livro, o pesquisador João Renato Stehmann, da Universidade Federal de Minas Gerais, que junto com o Jardim Botânico do Rio produziu a obra.
Segundo ele, a Mata Atlântica é um dos cinco hotspots do mundo. O termo indica ecossistemas que concentram mais espécies endêmicas e que tiveram mais de 75% de sua área devastada.
– É um conceito que une biodiversidade, endemismo e ameaça de extinção – explica o pesquisador.

Os hotspots são considerados áreas prioritária para conservação, ecossistemas que precisam ser estudados o quanto antes pela sua fragilidade.
– Para esta preservação, há três etapas. A primeira é conhecer quais espécies ocorrem. A segunda é avaliar o estado de conservação e a quantidade delas. E a terceira é traçar metas para diminuir o grau de ameaça – diz o cientista.
E este esforço é uma corrida contra o tempo. A Mata Atlântica surpreende os próprios cientistas. A cada semana, uma nova espécie é descoberta. Além disso, determinadas espécies ocorrem em locais restritos. Ou seja, podem sumir com a ocupação urbana, ou com o desmate para outro fim, sem que sejam sequer conhecidas pela ciência.
Nesta luta pela natureza, há outras frentes de combate. Uma delas é fazer o governo federal declarar as espécies como ameaçadas de extinção. Com este status oficial, elas ficam sob proteção da lei.
– A comunidade científica tem feito pressão para que a lista de espécies ameaçadas seja ampliada. Hoje, oficialmente, há 238 espécies ameaçadas. Mas, para os cientistas, o número chega a 727. E o pior é que a lista oficial se baseia em dados de 2005. De lá para cá, 300 espécies foram descobertas – diz o pesquisador.

Com o livro Plantas da Floresta Atlântica, um calhamaço de 516 páginas, os cientistas esperam dar informações preciosas para os trabalhos de reflorestamento.
– A ciência pode orientar na produção de mudas; na escolha de espécies para reflorestamento adequadas para cada área; e também na indicação de locais para replantio – diz João Renato.

Se a Mata Atlântica, junto com o ser humano, vai superar estes desafios, só o tempo dirá. Segundo o pesquisador, áreas que já foram degradadas levarão pelo menos 300 anos para serem reconstituídas em sua plenitude. Espera-se que as futuras gerações colham estes frutos.

Brasil lidera desmatamento
Relatório de Avaliação Global de Recursos Florestais 2010, da Organização das Nações Unidas (ONU), divulgado quinta-feira, mostra que o Brasil, apesar de ter diminuído a área desmatada, continua em primeiro lugar no ranking do desmatamento no mundo.
Entre 1990 e 2000, houve uma redução significativa na perda de florestas brasileiras. Na última década, o país passou de 2,9 milhões de hectares anuais desmatados para 2,6 milhões nos anos 2000, segundo a ONU.
No mundo, nos últimos dez anos, 13 milhões de hectares anuais de florestas nativas foram transformadas em terras agrícolas ou destruídas por causas naturais, o que mostra uma redução em relação à década de 1990 quando foi registrada uma perda de 16 milhões de hectares.
A América do Sul e a África tiveram as maiores perdas anuais de áreas verdes no período entre 2000 e 2010, registrando 4 e 3,4 milhões de hectares, respectivamente. A Oceania também teve uma grande perda de florestas, mas por um motivo bem diferente, devido à grande seca que atinge a Austrália desde 2000.
Por outro lado, a Ásia ganhou 2,2 milhões de hectares ao ano na última década em função das ações de reflorestamentamento em grande escala na China, Índia e no Vietnã, aumentando sua superfície florestal em cerca de 4 milhões de hectares anuais nos últimos cinco anos.
Nos Estados Unidos e na América Central, a superfície florestal permaneceu estável. Na Europa, houve crescimento da área verde.
– Os países devem intensificar seus esforços para melhorar a conservação – disse o diretor-geral adjunto do departamento florestal da FAO, Eduardo Rojas. (Das agências)

sexta-feira, 26 de março de 2010

Brasil pode devolver canhão da época da Guerra do Paraguai

Após 140 anos, ainda falta resolver uma batalha da guerra do Brasil contra o Paraguai. A devolução de um canhão é polêmica.

25/03/10 - BOM DIA BRASIL
No pátio dos canhões no Museu Histórico Nacional, ele se destaca. É uma arma de guerra de 12 toneladas. É "El cristiano". Em português, o cristão. O nome vem do material usado para fabricá-lo: o metal dos sinos das igrejas de Assunção, a capital paraguaia.
Foi a matéria-prima que nosso vizinho encontrou para tentar compensar a falta de armamento pesado no conflito que ficou conhecido como a Guerra do Paraguai. Entre 1864 e 1870, o país enfrentou sozinho Brasil, Argentina e Uruguai.
Segundo historiadores, durante dois anos o canhão ajudou a conter o avanço das tropas brasileiras sobre a capital paraguaia. Para entender por que, basta olhar a placa de aço de 10 centímetros de espessura que fazia parte de um dos navios da nossa Marinha. Ficaram algumas marcas do poder de fogo de “El cristiano”.
O canhão acabou sendo tomado por soldados numa batalha que foi decisiva na derrota paraguaia. Virou troféu de guerra, exposto no Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro. E 140 anos depois do fim do conflito, “El cristiano” volta ao centro de uma nova batalha.
Depois de um pedido do governo paraguaio, o Brasil pode devolver o canhão aos verdadeiros donos. Historiadores e técnicos do próprio museu alegam que a peça faz parte de um acervo tombado e que mandá-lo de volta é uma afronta à memória de quem lutou na guerra.
“Nenhum país devolve seus troféus de guerra. Foi o sangue dos brasileiros que o cimentou no solo”, diz o historiador Milton Teixeira.
“Não resta dúvida que é um troféu de guerra. Se devemos manter troféus de guerra entre nações amigas, deve ser discutido”, aponta Carlos Fernando Andrade, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.
O Paraguai também quer a devolução de outros troféus, como arquivos militares do país que estão no Brasil. Será que tantos conflitos de interesses vão deixar os envolvidos em pé de guerra?
Apesar dos protestos de técnicos e historiadores, o Ministério da Cultura confirmou que o "El cristiano" será devolvido para o Paraguai, mas ainda não há data para a devolução. O governo estuda uma forma legal de fazer essa transferência, já que é necessário o destombamento do canhão, que só pode ser feito pelo próprio presidente Lula. Até lá ainda deve ter muita discussão.

Enviado pela Guia Marcia Silveira.

quarta-feira, 24 de março de 2010

MP quer proibir voos duplos de asa delta remunerados

Modalidade só poderia ser praticada para fins recreativos e de aprendizado.

Agência Nacional de Aviação Civil ainda não respondeu recomendação.
Do G1, no Rio - 24/03/10

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que tome medidas para impedir a comercialização de voos duplos de asa delta e ultraleves nos aeroclubes no Rio de Janeiro. De acordo com o Código Brasileiro de Aeronáutica, a venda deste tipo de passeio é ilegal.
Segundo o MPF, pela lei, vôos duplos ou panorâmicos só podem ser feitos sem remuneração. A legislação permite a atividade apenas para fins recreativos e de aprendizado.
O Ministério Público informou que o procedimento administrativo que resultou nessa recomendação começou com uma denúncia de acidente fatal e mais duas notícias de acidentes foram recebidas ao longo do período.
MPF quer placas com proibição
Como não há fiscalização destas aeronaves, os usuários não têm nenhuma garantia das autoridades sobre a segurança dos equipamentos utilizados. O MPF afirma ainda que o Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica (RBHA) classifica os veículos ultraleves como experimentais, o que impede a sua homologação para o serviço de passageiros.
A recomendação também é para que sejam colocadas placas nos aeroclubes alertando para a proibição da comercialização de vôos em aeronaves experimentais. O pedido foi motivado pelos acidentes, alguns com vítimas fatais, que já aconteceram neste tipo de atividade.
Segundo Marcelo Almeida, presidente da Associação Brasileira de Vôo Livre, a associação apoia a medida do Ministério Público Federal. Marcelo informou que em maio teve uma reunião com os associados, reforçando a proibição de voos duplos remunerados, mas que “infelizmente” a prática continuou.
Anac não respondeu

Marcelo afirmou que na quinta-feira (18) tomou uma medida que foi a de fechar a rampa de vôo da Pedra Bonita, em São Conrado, Zona Sul do Rio, para qualquer tipo de vôo duplo, mesmo sendo não remunerado ou de instrução. Na quinta-feira (25) Marcelo vai se reunir novamente com os instrutores para comunicar a recomendação do MPF. Marcelo acredita que atualmente 70 pessoas estejam habilitadas a fazer voos duplos.
O G1 entrou em contato com a assessoria de imprensa da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Segundo a agência, ainda não há um parecer sobre a recomendação do MPF e os voos duplos pagos não foram proibidos.
No entanto, o presidente da associação de vôo livre afirmou que foi avisado que a fiscalização da agência começaria na quinta (25).
A Anac terá que se reportar ao MPF quanto ao cumprimento do pedido. Do contrário, o MPF poderá entrar na Justiça para garantir o cumprimento da lei. A recomendação é um instrumento utilizado para defender o interesse coletivo sem recorrer a um processo judicial.

PESSACH, a festa da libertação

PESSACH

Enviado por Efraim Schvaitzer
O calendário judaico é rico em simbolismo, representadas nas comemorações durante todo o ano; umas são alegres e outras nem tanto pois relembram episódios distintos da rica tradição do povo judeu.
Na próxima semana, estaremos celebrando uma das datas mais importantes do nosso calendário: o PESSACH !
Pessach é a celebração da libertação do povo de Israel do jugo egípcio.
Representa a saída dos judeus, escravos que eram dos Faraós no Egito no período da Antiguidade.

Como o calendário judaico é lunar e o nosso calendário gregoriano, solar, as datas dificilmente se repetem a cada ano, assim sendo, este ano a celebração de Pessach acontecerá no período de 15 a 22 do mes de Nissan do calendário judaico, correspondente a noite do dia 29 de março ( 2a feira) e termina na noite de 06 de abril de 2010 do nosso calendário.
Em algumas comunidades é costume dar-se mais ênfase as primeiras duas noites do Pessach, embora em outras comunidades, todos os dias são igualmente comemorados.
Essas celebrações chamam-se SEDER, que significa "passagem" e refere-se a milagosa fuga pelo Mar Vermelho.

Entre os simbolismos presentes em Pessach, destacamos entre outros o " MA NISTANÁ" que significa porque esta noite é diferente de todas as outras? ocasião em que o caçula da família reunida em torno da mesa do jantar, faz essa pergunta ao mais velho da mesa, que responde a pergunta lendo a " HAGADÁ" livro que conta a saída dos judeus da escravidão no Egito.
Um outro símbolo desse período de Pessach, conhecido em todo o mundo é a MATZÁ, conhecida também como " LECHEN ONI" ( pão da pobreza) ou simplesmente pão ázimo, sem levedura, pois representa a saída corrida do Egito quando não tiveram tempo de fermentar o pão.
Vários outros símbolos poderiam ser citados como a KEARÁ, prato típico onde vários símbolos de Pessach são destacados, como o CHAROSSET, uma mistura de maçãs com nozes simbolizando a massa de blocos utilizados no dia a dia dos tempos de escravidão.

Destaco aqui, finalmente, uma tradição milenar presente em todos os lares judaicos por celebração do SEDER de PESSACH:
Uma taça cheia de vinho e uma cadeira vazia, cuidadosamente colocada à mesa da sala de jantar, cuja porta fica aberta de forma a permitir e facilitar a chegada de " ELIAHU HANAVI" que segundo a tradição, ele chega simbolicamente em cada lar judaico para participar e vivenciar por uns instantes, junto com os presentes, a noite festiva de Pessach.
Cordialmente
Efraim Schvaitzer

terça-feira, 23 de março de 2010

PARQUE DA CATACUMBA: Informações úteis.

A Guia NEYLA BONTEMPO contatou o Parque da Catacumba e envia valiosas informações para contar com este novo opcional. Obrigado Neyla!

Boa tarde Neyla!

Segue abaixo as informações solicitadas:

1. Quais são as atividades no local? Poderia especificar o valor de cada uma? Qual o tempo de duração?
Resp: Tirolesa R$ 10 (20 minutos)
Muro de escalada R$ 15 (20 minutos)
Arvorismo infantil R$ 20 (20 minutos)
Arvorismo Adulto R$ 30 (20 minutos)
Rapel R$ 40 (40 minutos).

2. Tem que ter um numero mínimo ou máximo de pessoas? Tem que agendar com antecedência ou pode simplesmente aparecer e terá atividades com acompanhamentos de orientadores?
Resp: Não pedimos grupo mínimo, porém grupos grandes em dia de semana pedimos que entre em contato.
Aos finais de semana temos mais movimento, seria bom sempre marcar nos primeiro horário 9 h. da manhã dependendo do número do grupo.

3. Tem estacionamento? É grátis?
Resp: Temos um estacionamento ao lado do parque, é de graça porém é pequeno, cabendo apenas 10 carros. Outra opção de estacionamento é o da Lagoa, bem em frente ao parque, e ao lado tem uma passarela para que sai ao lado do parque.

4. Cobra-se ingresso ou só as atividades?
Resp: O parque é aberto ao público e não há cobrança de ingresso.
Cobramos apenas nossas atividades como informei acima.

5. Quais são as formas de pagamento?
Resp: Pagamento em dinheiro ou no cartão master card (estamos com problemas com o visa)

6. Tem estrutura para serviços essenciais como toalete e área de alimentação ou bebidas?
Resp: O parque oferece banheiros feminino e masculino. E na nossa recepção vendemos bebidas e alguns biscoitos, barra de cereal e sorvete

7. Tem comissão para guias que levam pessoas?
Resp: Pagamos comissão de acordo com o número de pessoas e atividade, a comissão varia de 10% a 20%
Pedimos apenas que se cadastre para ser comissionado.
Se possível comissionamos no mesmo dia, caso não seja possível, agendamos o pagamento do mesmo.

8. O guia pode participar para conhecer, sem cobrança? Acompanhante de grupo tem gratuidade?
Resp: O guia cadastrado na MTUR (mesmo que seja autônomo) ou representando alguma agência de viagem tem cortesia para acompanhar o grupo nas atividades.

Para efetuar se cadastro de guia precisamos das seguintes informações:
Nome:
Telefone:
Email:
Nº da Carteira da MTUR:
Validade:
Agência ou autônomo:

Visite o nosso site http://www.lagoaaventuras.com.br e saiba mais sobre a empresa e o
Parque da Catacumba.
Estou à disposição para mais informações!
Atenciosamente,
Gabriella Araujo
Gerente Comercial - Lagoa Aventuras
(21) 41050079
(21) 78709162

segunda-feira, 22 de março de 2010

Lançamento do livro Plantas da Floresta Atlântica no Jardim Botánico.

O Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro e a Universidade Federal de Minas Gerais lançam, em 24 de março de 2010, às 18h, no Herbário do JBRJ, o livro Plantas da Floresta Atlântica. A publicação, com 516 páginas, é resultado das pesquisas de cerca de 200 cientistas brasileiros e estrangeiros, com dados compilados, organizados e padronizados pelos editores João Renato Stehmann, Rafaela Campostrini Forzza, Alexandre Salino, Marcos Sobral, Denise Pinheiro da Costa e Luciana H. Yoshino Kamino. Juntos, eles são também autores da primeira parte do livro, dedicada à riqueza, endemismo e conservação da Floresta Atlântica.

A segunda parte traz as listas de todas as espécies conhecidas da flora do Domínio Atlântico, que se estende pela maior parte da costa brasileira, chegando também à Argentina e ao Paraguai. São dados de 15.782 espécies distribuídas em 2.257 gêneros e 348 famílias, constituindo aproximadamente 5% da flora mundial. Os estudos confirmaram que a Floresta Atlântica tem alta taxa de endemicidade, ou seja, de plantas que ocorrem exclusivamente nela, constituindo-se no quinto hotspot mais rico em endemismo no mundo.

A publicação contou, além do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro e da UFMG, com o apoio do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), e, em sua primeira fase, com o apoio da Conservação Internacional e do Fundo e Parceria para Ecossistemas Críticos (Critical Ecosystem Partnership Fund – CEPF).

Fonte Newsletter JBRJ enviado pela Guia Angèlica Monnerat

Alugar Bicicletas agora mais fácil para Turistas

Daniel Uram da Sociedade amigos de Copacabana envia esta novidade:
Estive hoje com o Sr.Angelo Leite que é dono das bicicletas de aluguel aqui
na cidade do Rio de Janeiro, ele me pediu para te passar esse email
para avisar (e repassar para) os guias que o serviço foi relançado e renovado e as novas
regras estão no site www.mobilicidade.com.br/rio
Lá será possível tirar dúvidas em portugues e inglês.
Mencionei a dificuldade dos turistas em usar as bikes e ele me explicou
que agora seria mais fácil bastando ter um celular.
Logo os hotéis terão planos de preços especiais para turistas.
Daniel Uram
(Diretor Social da SAC - Sociedade Amigos de Copacabana)
SAC (Sociedade Amigos de Copacabana)
http://amigosdecopa.vilabol.uol.com.br/

EXEMPLO PARA A TRANSAÇÃO COM CELULAR (Veja outras possibilidades no site)
PASSE DIÁRIO - Uso Eventual / sem necessidade de Cadastro - R$ 10,00 (Válido por 24 hora
s)
1. Veja no mapa do site a localização das ESTAÇÕES DE ALUGUEL e dirija-se a qualquer uma delas para retirar BICICLETAS.
2. Ligue do seu telefone celular * para o Número: (21) 3005-4316
* O telefone usado para compra do PASSE DIÁRIO deverá ser o mesmo utilizado para liberação da bicicleta.
2. Ouça as informações sobre regras e tarifas
3. Digite os dados do seu cartão de Crédito.
4. O Sistema envia uma mensagen SMS para o celular, confirmado ou não a transação

sábado, 20 de março de 2010

Museu Imperial de Petrópolis comemora 70 anos levando história e cultura para o Brasil

Março é o mês do aniversário do Museu Imperial de Petrópolis.
Redação SRZD, Estado do Rio, 20/03/2010.

No mês de março, um dos mais importantes museus do país, o Museu Imperial de Petrópolis, completa 70 anos de criação e, para comemorar a data, oferecerá uma programação especial.
O aniversário será marcado pelo lançamento do "Almanaque de Petrópolis - O Palácio Imperial", de Regina Helena de Castro Rezende e Cátia Maria Souza de Vasconcelos Vianna; pelo lançamento do "Caderno de Conservação - Coleção Chapéus", de Eliane Marchesini Zanatta; pelo concerto dos 70 anos do Museu, com uma homenagem às pessoas que ajudaram a enriquecer o acervo através de doações e a apresentação de produtos para a loja do Museu.
Ainda como parte da programação, o Museu Imperial implantou um dos mais importantes projetos de sua história. Funcionários da instituição estão concretizando o projeto de Digitalização do Acervo do Museu Imperial, conhecido como projeto DAMI. A iniciativa visa digitalizar todo o acervo do Museu Imperial, a partir de conjuntos de peças representados pelas coleções formadas por diversos doadores, e disponibilizar o material no site da instituição.
A primeira fase foi orçada em R$ 3,5 milhões, tendo o projeto recebido um incentivo de R$ 1,5 milhão da IBM. "O projeto levará mais de uma década para ser concluído. Mas o público poderá desfrutar das informações já a partir do dia 29 de março, quando disponibilizaremos duas coleções: a do visconde de Itaboraí, Joaquim José Rodrigues Torres (1802-1872), e a coleção Carlos Gomes, doada ao Museu pela filha do compositor, Ítala Vaz de Carvalho", adiantou o diretor do Museu, Maurício Vicente Ferreira Júnior.
O Museu também relançou o Sarau Imperial, que recentemente recebeu o selo Tour da Experiência do Ministério do Turismo. No projeto, "a princesa d. Isabel e suas amigas" convidam o público para passar uma tarde muito agradável com uma aula de história, boa música e poesia.

O Museu Imperial
Desde 29 de março de 1940, o Museu Imperial preserva, pesquisa e divulga objetos da história e da arte do período imperial brasileiro, garantindo para as futuras gerações o contato com o passado do país.
O local foi eleito uma das sete maravilhas do Estado do Rio de Janeiro, em 2007, e recebeu também nota máxima no "Guia Verde Michelin - Rio de Janeiro", de 2010, além de ter sido selecionado entre os dez melhores programas de viagem no Guia Quatro Rodas, edição 2010. O local não é apenas para visitação, mas para aprendizagem sobre a história do Brasil.
Além do acervo, composto por mais de 11 mil peças, diversas atividades e projetos já foram realizados ao longo de sete décadas, tudo isso para levar história aos visitantes de uma maneira inovadora e bela.

Serviço:
Museu Imperial
Endereço: Rua da Imperatriz, 220
Visitação: De terça a domingo, das 11h às 18h.
http://www.museuimperial.gov.br/
Telefones: 2245-5550 / 2245-5560
Preços:
Adultos: R$ 8,00
Estudantes, professores e maiores de 60 anos: R$ 4,00
Menores de 7 anos e maiores de 80: Gratuito

FITUR: O Brasil está engatinhando....

O futuro do turismo no mundo

João Pedro Figueira, Jornal do Brasil-18/03/2010
RIO - Mês passado aconteceu a 30ª edição da Feira Internacional de Turismo (Fitur), em Madrid, que reuniu 170 países, 12 mil empresas e mais de 130 mil visitantes.
Destaco quatro pontos que me chamaram a atenção por lá:
1. A evidência da conservação ambiental como tema definitivamente inserido na agenda do turismo internacional;
2. O uso intensivo da tecnologia da informação como veículo não só de divulgação, mas, e principalmente, como instrumento de prospecção de negócios, com impactos significativos no perfil do trabalho do trade turístico e principalmente dos agentes de turismo;
3. A presença forte da África e dos países do Oriente Médio, com estandes de Gana, Uganda, Abu Dhabi, Kuwait e Emirados Árabes e
4. As oportunidades de negócio e de visibilidade internacional perdidas pelo Brasil em razão da qualidade ruim de sua presença na Feira e do preconceito com o carnaval.
A feira reconheceu o fato com a destinação de um espaço próprio para debate do tema e para exposição de produtos voltados para o gerenciamento de energia nos hotéis, a Fitur Green, que inovou com o anúncio de metas específicas de redução no uso de energia (elevação da eficiência energética) – 20% – e aumento na utilização de tecnologias de energia renovável – 10%. As conclusões da Fitur Green estabeleceram metas objetivas, discutidas em plenário.
A tecnologia da informação, representada por diversas mídias sociais, sites, blogs, Twitter, Orkut, YouTube, demonstrou a transformação radical no perfil profissional dos agentes de viagens. Com exceção dos estandes do Ministério do Turismo do Brasil e da Embratur, quase não houve distribuição de folders em papel. Os pen drives e a divulgação maciça dos sites os substituíram em grande medida.
O Brasil deixou a desejar. Na programação da feira, não havia informação a respeito de qualquer apresentação sobre a Copa e sobre as Olimpíadas. Passamos em brancas nuvens na pauta de eventos e palestras. Não dissemos nada. Nosso país destoou de todo o resto pela falta de criatividade e uso limitadíssimo da tecnologia. Esteve igualado na dedicação de seus expositores, mas a similitude parou aí. Somente os delegados do Maranhão estavam com pen drives para divulgação do turismo local. No mais, tudo foi um culto à pré-história da informática e do isolamento no passado. Não se ouviu música, nem foi possível encontrar sambistas ou traços de nosso carnaval, veladamente censurados por medo da vinculação ao turismo sexual, o que representa uma afronta a nossa cultura. Para um país que pretende ser um grande receptor de turistas, o Brasil mostrou que está apenas engatinhando.
Enfim, a 30ª edição da Fitur deixou lições importantes para o mundo e um recado para o governo brasileiro: o turismo é um bom negócio, mas assunto para gente capaz de pensar grande, ser eficiente e não ter vergonha de suas riquezas e de sua cultura.
João Pedro Figueira é deputado estadual e presidente da Comissão de Turismo da Alerj.

Comentário do Guia Antônio Abilio
"É lamentável a atuação das autoridades Brasileiras na divulgação das enormes opções de turismo existentes no nosso país. Uma grande pena. Quando isto irá mudar? Quando é que o turismo será visto e encarado de maneira séria?"

sexta-feira, 19 de março de 2010

LIVRO: "O Brasil de Gabriel Soares de Sousa e outras viagens".

Enviado pela Guia Marion Alberti via e-mail

Ensaio estuda textos do descobrimento do Brasil

Valdomiro Santana, Jornal do Brasil
RIO - Susto, espanto, maravilha. Com esses três signos que se ligam por parentesco e analogia, cada um se referindo aos outros, a literatura de viagens, uma das formas de saber da cultura ocidental até o fim do século 19, é o foco de "O Brasil de Gabriel Soares de Sousa e outras viagens, de Francisco Ferreira de Lima".
Três textos são estudados: o “Tratado descritivo do Brasil (1587)” de Gabriel Soares de Sousa – um impressionante levantamento de dados geográficos, botânicos, zoológicos, etnográficos e linguísticos – que é objeto de seis ensaios; a “Carta a el-rei dom Manuel sobre o achamento do Brasil (1500)” de Pero Vaz de Caminha, e a “História da província de Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil (1576)” de Pero de Magalhães Gândavo.
Ferreira de Lima, pós-doutor em literatura pela Universidade de Londres, também é autor de O outro livro das maravilhas: a peregrinação de Fernão Mendes Pinto (Relume Dumará, 1998). O Brasil de Gabriel Soares de Sousa é leitura que, sem o peso do aparato universitário, prende, faz pensar. Isto se deve ao fato de ser o autor um estilista. E com toques do mais fino humor. Daí, a sensação que é perceber — e fruir — o tecido da escrita de cada um dos oito ensaios e o modo como dialogam e se iluminam.
O autor apresenta e destrincha o que chama de “retórica da sedução”, a estratégia usada por Gabriel Soares de Sousa para obter do rei Felipe II o apoio a uma viagem de mais de 100 léguas pelo sertão da Bahia até as nascentes do São Francisco, em busca de uma lagoa onde se acreditava existir ouro em abundância e a céu aberto.
Uma das linhas de força do livro é o exame do que escreveram Caminha e Gândavo sobre o Brasil, na perspectiva — e tão-somente — dos interesses coloniais do Império português, e do que registrou Soares de Sousa no “Tratado”, quando Portugal já estava, a partir de 1580 (até 1640), sob o domínio espanhol.
Estudo comparativamente hilariante é o do quinto ensaio, “A voz do outro: a diferença da linguagem, a linguagem da diferença”, em que entram a farsa de um romance de Umberto Eco, Baudolino, ambientado na Idade Média, e as viagens de Caminha, Fernão Mendes Pinto e Soares de Sousa, o “foneticista pioneiro” do Brasil.
Um livro que se recomenda não apenas à atenção de professores e alunos das áreas de letras e ciências sociais e humanas, mas de todos aqueles que, no país, continuam se perguntando por que aqui, após 500 anos de processo civilizatório, o espetáculo ainda é bárbaro, donde o deslumbramento, o pasmo e o assombro de todo dia.
Resposta a pedido: Editora 7 letras / Preço Livraria Saraiva R$ 34,00

BREJAL: CIRCUITO DE GASTRONOMIA RURAL

Enviado pela Guia Relindes Fonseca

Guia Virtual - GPS que acompanha Turista a pé (?)

A Guia Neyla Bomtempo achou esta curiosidade na Internet:
Mais um concorrente para o guia de turismo?
Ou simplesmente uma coisa a mais para preocupar a função dos guias de turismo?
Neyla
Trata-se de um GPS que o turista leva como uma mini note-book e va caminhando guiado pela telinha. Um "tour-guide virtual". Idéias para vender programas, com certeza, não testadas pelos usuários, e colocadas na Internet para tentar sorte e começar a vender. Tem de muitas outras cidades.... Ah, Mundo Virtual!!!
 
Rio de Janeiro Walking Tours and Map

Venture out on your own with a personal tour guide in the palm of your hand. Load your iPhone with the self-guided walking tours from GPSmyCity.com. No need to hop on a tour bus or join a group; now you can explore all the best attractions on your own, at your own pace, and at a cost that is only a fraction of what you would normally pay for a guided tour. You can check out the city's famous monuments, landmarks, museums and specialty stores; or find hidden gems, as if you had brought along a local guide.
Walking tours included in this application are:
* Castelo and Flamengo (10 sights)
* Bohemian Center (9 sights)
* Rio Famous Museums (5 sights)
* Rio Art Museums (7 sights)
* Places of Worship (8 sights)
* Rio Landmarks (9 sights)
* Rio Classic Architecture (10 sights)
* City Orientation Tour (12 sights)
* Rio Beach Walk (5 sights)
* Nightlife Tour (8 sights)
* Rio for Single Men (10 sights)
* Jewelry and Accessories (10 sights)
* Antique and Home Collectables (7 sights)
This revolutionary application is a smart travel companion, with a detailed city map and powerful navigation features built in. Hence, No Internet Connection is necessary, nor the costly roaming charges when traveling to foreign cities. This powerful navigation assistance includes:
* Touring route clearly displayed on map
* Precise turn-by-turn walking directions from one sight to the next
* FindMe feature displays your exact location, while an auto tracking feature displays your movement on map, so you always know if you are moving in the right direction
Enjoy more convenience, cost savings and better time spent on a trip. With GPSmyCity.com, your iPhone is your trusted personal tour guide.

segunda-feira, 15 de março de 2010

A origem do @ (arroba)

Enviado por Luciana Belfort (Agente G.B. Internacional)

A origem do @ (arroba)
Na idade média os livros eram escritos pelos copistas à mão.
Precursores da taquigrafia, os copistas simplificavam o trabalho substituindo letras, palavras e nomes próprios, por símbolos, sinais e abreviaturas. Não era por economia de esforço nem para o trabalho ser mais rápido. O motivo era de ordem econômica : tinta e papel eram valiosíssimos.
Foi assim que surgiu o til (~), para substituir uma letra (um "m" ou um "n") que nasalizava a vogal anterior. Um til é um enezinho sobre a letra, pode olhar. O nome espanhol Francisco, que também era grafado "Phrancisco", ficou com a abreviatura "Phco." e "Pco". Daí foi fácil o nome Francisco ganhar em espanhol o apelido Paco.
Os santos, ao serem citados pelos copistas, eram identificados por um feito significativo em suas vidas. Assim, o nome de São José aparecia seguido de "Jesus Christi Pater Putativus", ou seja, o pai putativo (suposto) de Jesus Cristo. Mais tarde os copistas passaram a adotar a abreviatura "JHS PP" e depois "PP". A pronúncia dessas letras em seqüência explica porque José em espanhol tem o apelido de Pepe.
Já para substituir a palavra latina et (e), os copistas criaram um símbolo que é o resultado do entrelaçamento dessas duas letras: &. Esse sinal é popularmente conhecido como "e comercial" e em inglês, tem o nome de ampersand, que vem do and (e em inglês) + per se (do latim por si) + and.
Com o mesmo recurso do entrelaçamento de suas letras, os copistas criaram o símbolo @ para substituir a preposição latina ad, que tinha, entre outros, o sentido de "casa de". Veio a imprensa, foram-se os copistas, mas os símbolos @ e & continuaram a ser usados nos livros de contabilidade. O @ aparecia entre o número de unidades da mercadoria e o preço - por exemplo: o registro contábil " 10@£3" significava "10 unidades ao preço de 3 libras cada uma".
Nessa época o símbolo @ já ficou conhecido como, em inglês, "at" (a ou em).
No século XIX, nos portos da Catalunha (nordeste da Espanha), o comércio e a indústria, procuravam imitar práticas comerciais e contábeis dos ingleses.
Como os espanhóis desconheciam o sentido que os ingleses atribuíam ao símbolo @ (a ou em), acharam que o símbolo seria uma unidade de peso - por engano . Para o entendimento contribuíram duas coincidências:
1- a unidade de peso comum para os espanhóis na época era a arroba, cujo "a" inicial lembra a forma do símbolo;
2- os carregamentos desembarcados vinham freqüentemente em fardos de uma arroba. Dessa forma, os espanhóis interpretavam aquele mesmo registro de "10@£3"assim : "dez arrobas custando 3 libras cada uma". Então o símbolo @ passou a ser usado pelos espanhóis para significar arroba.
Arroba veio do árabe ar-ruba, que significa "a quarta parte": arroba (15 kg em números redondos) correspondia a ¼ de outra medida de origem árabe (quintar), o quintal (58,75 kg).
As máquinas de escrever, na sua forma definitiva, começaram a ser comercializadas em 1874, nos Estados Unidos (Mark Twain foi o primeiro autor a apresentar seus originais datilografados). O teclado tinha o símbolo "@",que sobreviveu nos teclados dos computadores.
Em 1972, ao desenvolver o primeiro programa de correio eletrônico (e-mail), Roy Tomlinson aproveitou o sentido "@" (at -em Inglês ), disponível no teclado, e utilizou-o entre o nome do usuário e o nome do provedor.
Assim Fulano@ProvedorX ficou significando: "Fulano no provedor (ou na casa) X".
Em diversos idiomas, o símbolo "@" ficou com o nome de alguma coisa parecida com sua forma.
Em italiano chiocciola (caracol), em sueco snabel (tromba de elefante), em holandês, apestaart (rabo de macaco).
Em outros idiomas, tem o nome de um doce em forma circular: shtrudel, em Israel; strudel, na Áustria; pretzel, em vários países europeus.

Mais uma novidade no mercado, só faltava essa!!!!

Escreve e envia: Cleopatra Scouris
Li a matéria e estou pasma. Cada dia que passa vejo o desrespeito com a nossa profissão.

Foi nesta Operadora que há pouco tempo morreu uma adolecente no vôo voltando do EUA e nem assim eles aprenderam com a situação pois nao havia um guia credenciado e sim aquele que vendeu a excursão.
Será que o MInistério do Turismo, O SIndicato dos Guias de SP...ninguém vai se mexer?????Tia Augusta contrata meninos colírios para levar grupos
Tia Augusta contrata meninos colírios para levar grupos
Filipe Fortunato, Augusta e Paschoal Fortunato, diretores da operadora com os "colírios" Caíque e Federico
A neta de Paschoal e Augusta Fortunato, de 14 anos, indicou e os avós, donos da operadora Tia Augusta Turismo, não titubearam: contrataram Federico Devito e Caíque Nogueira, eleitos "Colírios" pela revista Capricho, para acompanharem os grupos de adolescentes da empresa para Orlando, nas férias de julho. Os dois já são fenômeno na internet, com milhares de seguidoras no Twitter e são estrelas do blog Vida de Garoto.
O acerto da escolha (a dúvida ficou entre eles ou globais de Malhação) pô de ser comprovada hoje, durante sessão de cinema em São Paulo para potenciais clientes. As meninas nem prestaram atenção no filme Idas e Vindas do Amor e sim na dupla de "colírios" que estava a sua frente. Segundo Tio Fortunato, a quantidade de consultas está enorme e a iniciativa será um sucesso de vendas. A Tia Augusta, que opera Orlando há 35 anos, já transportou mais de 300 mil jovens para os parques temáticos da região.
Na próxima semana haverá outra sessão de cinema, para mais 300 potenciais clientes. E o trade vai ganhar uma ação em um teatro da capital paulista. Todos poderão assistir à peça TPM.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Anac lança selo para classificar espaço entre poltronas de aviões

Empresas com aviões de mais de 20 assentos serão obrigadas a usar selo.
Etiqueta será obrigatória a partir do ano que vem.
A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) anunciou nesta quarta-feira (10) que terá um selo para classificar o espaço útil para os passageiros entre as poltronas dos aviões, inspirado no selo que indica o gasto de energia dos eletrodomésticos .
A Etiqueta Anac possui cinco faixas de classificação, de A até E. O nível A corresponde às aeronaves com espaço entre poltronas superior a 73 centímetros (cm).
A classificação B indica espaço entre 71 e 73 cm; a C varia de 69 a 71 cm; a D, de 67 a 69 cm; e a classificação E indica aviões com menos de 67 cm de espaço entre poltronas.
De acordo com a Agência, a ANAC tomou por base para definir as faixas da etiqueta a medição realizada em 5,3 mil passageiros, de 15 a 87 anos, nos 20 principais aeroportos brasileiros. Na média, a medida glúteo-joelho dos passageiros no Brasil varia entre 55 cm e 65 cm.
Segundo a Agência, todas as companhias que operam voos regulares com
aviões acima de 20 assentos deverão exibir o selo nos sistemas de vendas de passagens e colá-lo nas aeronaves.
As empresas aéreas terão até setembro para enviar a documentação com a medição de suas aeronaves para a Anac e mais seis meses para incluir a etiqueta informativa no sistema de reservas de passagens e nos aviões.
Do G1, com informações do Valor Online

Sensoria, nova loja na Urca.

Sensoria, convidará aos Guias para encontro

A loja envia informação, e anunciará em breve um encontro com os Guias na Urca para apresentar vários produtos e informar como funcionarão as vendas no futuro.

NOSSA HISTÓRIA
A Sensória foi criada e tem como princípio buscar o bem-estar através de produtos que busquem sinergia entre os elementos da natureza e os instintos do ser humano. Temos como receita para que isso aconteça, o conhecimento e o trabalho de uma equipe competente e apaixonada pelo que faz.
A Sensória será sempre o resultado do trabalho de pessoas apaixonadas pelo que fazem em um ambiente de muita ética, honestidade, respeito ao próximo, trabalho em equipe, busca pela excelência e muita alegria.
Acreditamos que pessoas eternamente apaixonadas produzem sempre os melhores resultados para os nossos clientes.

NOSSOS PRINCÍPIOS
Nossos produtos nunca são testados em animais.
Usamos ingredientes naturais auto-sustentáveis de origem controlada, com laudos técnicos que garantem a pureza dos mesmos. Além disso, utilizamos madeiras de reflorestamento na arquitetura de nossas lojas.
Nossas embalagens são recicláveis.
Conscientizamos nossos colaboradores e clientes sobre a importância de economizar água.
Incentivamos e trabalhamos com o artesanato brasileiro.
Respeitamos os direitos humanos. Nenhum de nossos produtos é produzido com utilização de mão de obra infantil.
Doamos parte de nosso lucro para instituições carentes.
Temos orgulho de ser 100% brasileiros e de somente contratar fornecedores de pequeno ou médio porte que gerem empregos de acordo com as leis trabalhistas, uma vez que mais da metade dos empregos gerados no nosso país são provenientes de pequenas empresas.

LÍNHA AMAZÔNIA (só uma das várias linhas)
A Linha Amazônia Sensória foi elaborada com o intuito de proporcionar todo o cuidado que seu corpo merece, utilizando-se de ativos cuidadosamente selecionados, extraídos da nossa rica Amazônia. Os produtos desta linha são apresentados em três diferentes fragrâncias:
Argila da Amazônia + Açaí + Copaíba / Murumuru + Cupuaçu + Guaraná / Maracujá + Buriti + Castanha do Pará

Sensoria , Contato: 2244-5696 – Lesley Ferreira – gerente

quarta-feira, 10 de março de 2010

NOVIDADE: O PÃO DE AÇÚCAR COMESTÍVEL.... HUMMMMM...!

Garcia & Rodrigues vence concurso “Pão de Açúcar do Rio”
Criação do chef Christophe Lidy é eleita para representar o pão oficial da cidade
O Rio de Janeiro agora tem um pão para chamar de seu. Assim como Paris tem suas croissants, Lisboa tem seu pastel de Belém e Nova York é simbolizado por seus muffins, o Rio de Janeiro finalmente acaba de ganhar um pão que traduzirá a cidade e um de seus mais famosos pontos turísticos. Em concurso promovido pela Companhia Caminho Aéreo Pão de Açúcar e o Sebrae/RJ com patrocínio da Souza Cruz, foi escolhido o “Pão de Açúcar do Rio” em evento realizado no Morro da Urca no dia 1º de março, Aniversário da Cidade.
Participaram do concurso chefs padeiros com atuação de destaque na capital, que foram selecionados pela curadora, a jornalista Alice Granato. Entre eles Escola do Pão, Brasserie Rosário,Talho Capixaba, Le Pain du Lapin, Casa da Táta, Traiteurs de France, Canto do Pão, Paneteria Degustações e o Garcia & Rodrigues, ganhador do concurso.
A criação do chef Christophe Lidy levou massa folheada que reproduziu em miniatura as formas dos morros Pão de Açúcar e Morro da Urca, recheio de compota de maçã e por fora, crocante de castanha de caju com açúcar.
“Estou muito feliz e orgulhoso por ter criado algo que será representado no Rio de Janeiro e também no Brasil como um símbolo gastronômico para pessoas do mundo inteiro. A idéia do concurso não poderia ter vindo em momento mais oportuno para a auto-estima dos cariocas, que ainda comemoram a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016”, afirma o chef vencedor, Christophe Lidy.
Um júri formado por 20 integrantes, entre jornalistas e conhecedores da área, chefs de cozinha, formadores de opinião e cariocas ilustres votaram nas melhores criações. Foram avaliados critérios como ineditismo, sabor (doce ou salgado), textura, apresentação dos pães e também o pão com maior inspiração no cartão-postal. As opiniões dos jurados tiveram 70% de peso na decisão pelo melhor pão. Os outros 30% foram por voto popular pela internet, através do site www.bondinho.com.br .
“Com o evento, o ganhador terá sua receita reproduzida em diversas padarias da cidade e ainda terá a honra de ter criado o pão mais carioca do Rio”, afirma Maria Ercilia Leite de Castro, diretora geral do Bondinho Pão de Açúcar. Os pães que entraram na disputa também poderão ser comercializados pelos respectivos estabelecimentos participantes.
O pão vencedor, com a assinatura do chef ganhador, será vendido em padarias do Rio certificadas pelo SEBRAE - que atualmente está capacitando 30 micro e pequenas empresas panificadoras - e comercializado nos pontos gastronômicos do complexo turístico.
 Sebrae/RJ vê no concurso “Pão de Açúcar do Rio” a oportunidade de profissionalizar ainda mais o ramo de atividade na cidade. “O Estado do Rio tem aproximadamente seis mil padarias e o concurso é uma das ações do projeto de panificação e confeitaria do estado do RJ que tem como foco fortalecer as micro e pequenas empresas panificadoras do Estado do Rio de Janeiro e é uma chance de ouro para que elas se capacitem a funcionar com foco nas melhores práticas do mercado”, afirma Renato Regazzi, gerente da Área de Desenvolvimento Industrial do Sebrae/RJ.
Mais informações: FSB Comunicações, (21) 3206-5050
Suzana Wester – suzana.wester@fsb.com.br  / Gustavo Pinheiro – gustavo.pinheiro@fsb.com.br

Enviado por Vanya Laseery - Marketing CCAPA - 10-03-2010

terça-feira, 9 de março de 2010

Rio vai receber Air Race em maio

O Globo - 01/03/10

Agora está confirmado: o Red Bull Air Race vai voltar a ter uma etapa no Rio de Janeiro. Nos dias 8 e 9 de maio o Mundial de Corrida Aérea será disputado no Aterro do Flamengo.
O evento deste ano terá mais uma novidade: a participação de um piloto brasileiro, o paulista Adilson Kindleman, de 36 anos.
- Disputar o Red Bull Air Race era o meu sonho há mais de três anos, um sonho que finalmente vou conseguir realizar em 2010. Poder correr em casa diante da torcida brasileira no meu primeiro ano fará essa temporada ainda mais especial.
Em 2007, o Air Race levou uma multidão calculada em um milhão de pessoas à Praia de Botafogo, em um domingo que, verdade seja dita, deu um nó no trânsito da capital carioca.
A etapa do Rio será a terceira da temporada, que começa no dia 27, em Abu Dhabi. Em abril o Red Bull Air Race passa por Perth, na Austrália. O circuito segue, depois do Rio, para Canadá, Nova York, Alemanha, Hungria e Portugal.

Estátua de Nossa Sra. da Aparecida em Niterói.

Estado vai instalar estátua de Nossa Senhora de Aparecida em Niterói

Imagem vai ficar de frente para a estátua do Cristo Redentor.
Projeto depende de liberação de verbas para sair do papel.
Patrícia Kappen Do G1, no Rio

Foto: Divulgação/Emop
Base do monumento seria giratória (Foto: Divulgação/Emop)
Os moradores de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, ganharão um monumento religioso nos moldes do que têm os vizinhos cariocas - o Cristo Redentor. Com apenas 13 metros de altura a menos que a estátua no Corcovado, uma imagem de Nossa Senhora de Aparecida será erguida no bairro de Charitas.
A escultura tem 25 metros e ficará no Morro da Viração, na direção do Cristo Redentor. Segundo o governo do estado, a ideia é que as estátuas fiquem uma de frente para a outra.
R$ 50 milhões
A estrutura será de metal revestida de concreto. A estátua será instalada a 310 metros de altura, no topo do morro, em frente à estação das barcas de Charitas. O projeto de construção prevê uma base giratória, para permitir que a santa fique virada para o público quando houver missas na capela que também será construída no local. O espaço de quatro mil metros quadrados terá capacidade para dez mil pessoas.
Projeto da estátua: monumento ficaria de frente para o Cristo Redentor (Foto: Divulgação/Emop)
O projeto da imagem da padroeira do Brasil foi orçado em R$ 50 milhões e prevê também teleférico, lojas e restaurantes. Além do teleférico, será possível subir de carro, por meio de uma estrada no Parque da Cidade, com dois quilômetros de extensão.
A obra depende da liberação de recursos para ser executada. Segundo o governo, o projeto foi solicitado pelo próprio governador Sérgio Cabral. A construção será de responsabilidade da Empresa de Obras Públicas do Estado (Emop).

Opções de Turismo na comunidade Babilônia

GUIAS
O Guia Legal divulgou ultimamente três opções de Tours na comunidade de Babilônia.
Solicitei me enviem uma informação geral sobre o que oferecem e aportam à comunidade.
Com diferentes propostas, no fim das contas, todos aportam para que este opcional exista.
Envio os e-mails recebidos, e os endereços eletrónicos para assim poder solicitar as informações dos serviços oferecidos.
Gerardo Millone - 9/03/2010

E-mail do Raphael Raine.(resumo)
"Nós da Cooperativa de trabalhadores em reflorestamento e preservação ambiental dos Morros do Leme, Babilônia e São João, atuamos na região desde 1995, recuperamos toda a área natural com o plantio de mais de 200 mil mudas que hoje compões uma bela trilha e um trabalho premiado em todo o Brasil.
Possuímos a licença da prefeitura, para atuar na região e conhecemos profundamente a área para guiar turistas no local..........................................................................................................................................................
Os condutores tiveram capacitação em condução em trilhas e turismo, possuímos guias EMBRATUR.
enfim todo trabalho através de um projeto e hoje em dia como temos a pacificação...............................................................................................................................................
Contamos com a força dos guias e agências para que um trabalho tão valoroso, não seja apenas motivo de arrecadação de capital, mas sim algo sustentável, com qualidade e segurança".
Raphael Raine - Turismólogo responsável. ecoturismobabilonia@gmail.com

E-mail da Isabel Erdmann. (resumo)
.................................................................................................................................................................
"Faço turismo social, cada turista que faz o tour comigo deixa um dinheiro que vou dar em forma de doação de comida, materiais ou outra coisa para a chreche das comunidades no Chapéu Mangueira ou para o posto de saúde das communidades.
Não dou dinheiro para o reflorestamente porque sei que eles recebem um salário do Rio Sul para fazer reflorestamento e também, contrário a o que ouvi falar da cooperativa, cuidar da única trilha que leva para o topo do morro.Porque quem não tem trilha para chegar nas arvores não pode cuidar dos arvores.
Meu passeio está descrito em inglês (e daqui umas semanas também em português e alemão) no link: http://lemebabilonia.multiply.com/jornal/item/3"
Um abraço:
Isabell Erdmann: isabell27@btopenworld.com

E-mail de Brice de La Sèrviere (resumo)
"Estive com o presidente da Coopbabilonia e associação de moradores da babilônia Carlos e com o presidente da associação dos amigos e moradores de Chapéu Mangueira Valdinei Medina. ........................................................................................................................................................... Existem dois projetos um da comunidade da Babilônia mais antigo e um da associação de moradores de Chapéu Mangueira.
Para deixar bem claro em relação a minha atuação eu sou simplesmente o indutor do projeto de turismo no Chapéu Mangueira ajudando na formação de pessoas e na organização do pólo turístico pois sou amigo de vários anos do novo presidente da AACM do Chapéu Mangueira Valdinei Medina,trabalhando como voluntario. Nosso projeto começou a mais de três anos bem antes da instalação da UPP e com a eleição para presidente do Chapéu Mangueira Valdinei Medina fizemos uma maior divulgação sendo que o programa já estava a dois anos no catalogo de empresas na frança pois tínhamos o apoio da Quimbaya Tours. Fizemos uma maior divulgação com a matéria que saiu na primeira pagina do globo do dia 31/01/2010 realizada a pedido do presidente da associação de moradores do Chapéu Mangueira aonde falamos dos dois projetos. Temos como parceiro a Rios de Historia e já trabalhamos com a BIT a SAS e diversos guias, Hostels e hotéis.
O projeto Chapéu Tour pertence a associação de moradores do Chapéu Mangueira e dos moradores que participam do projeto. Toda a renda das visitas fica na comunidade facilmente comprovado pela prestação de contas da AACM via a contribuição de turismo.
A renda obtida ajudou na pintura da creche realização de mutirões de limpeza no Chapéu Mangueira e despesas da associação.
Os presidentes das duas associações estão a disposição para prestar as devidas informações e penso que os projetos são interessantes e devem ser divulgados pois inserem os moradores no mercado de trabalho de turismo.
Fiz a divulgação para eles mais quero deixar bem claro que estou somente ajudando com meus contatos e experiência(pode entrar em contato com a guia Paula Novaes, Mauro Lippi, Christine Touzé, Raul Melo, Jerome Chardonet para ter as impressões deles sobre o projeto e as visitas).
....................................................................................................
O projeto tem por finalidade trazer renda e criar empregos na comunidade além de ajudar a associação de moradores. Para nós guias e uma ótima opção segura e caso tenha a oportunidade de ver o que estamos realizando tenho certeza que ficara tão empolgado quando eu estou. Sou morador do Leme e acho ótimo para min e minha filha que vai crescer no bairro que este projeto funcione.
Desde o começo criamos um restaurante na Laje da Dona Diuza que recebe os turistas para o almoço, estamos organizando Hostels sendo que já existe um em funcionamento além de só utilizar mão de obra da comunidade acompanhantes e transporte.
Pode divulgar os dois projetos da Chapéu Tour e Coopbabilonia pois eles trabalhãm em parceria e pertencem aos moradores através da cooperativa ou associação".
Brice de La Servière: e-mail: chapeutour@hotmail.com, blog: chapeutour.blogspot.com

Envio aqui a informação sobre o grupo Coopbabilonia:
César Zebiranato explicou como o Guia pode contatar os serviços deles. Ligando para a Coop Babilônia, 2295-6649, de segunda a sexta das 9 ás 17 h., pode-se marcar a visita pagando à cooperativa por pax, com mínimo de 3 pax. No caso de ter só um ou dois pax, o valor varia. Um guia credenciado acompanhará a caminhada, sendo o ponto de encontro a entrada da ladeira Ary Barroso no Leme, perto da Paróquia Santa Rita de Cassi na rua Pedro Álvares Cabral. Também pode-se subir pela Lauro Muller em Botafogo.

Palácio Capanema Ameaçado

Arquitetos, o Palácio Capanema e as Olimpíadas.
Caros amigos,

Não gosto de repassar e-mails, mas estou repassando este por ser uma boa causa. Quem esta a frente é o Molon, pessoa que conheço há alguns anos e me parece ter levado a frente suas lutas.
Juntei aqui pessoas especiais, envolvidas na área, e que estão ligadas à Arquitetura e/ou ao patrimônio cultural: (FAU-UFRJ; FEC-Unicamp; Engenharia e Arquitetura -UFJF; UECE; UFC; etc...) Amigos do Rio, São Paulo, Minas e Fortaleza. Gostaria de pedir que ajudem a manter as atividades do Capanema voltadas para a cultura. Acessem ao link do abaixo assinado, votem e divulguem este e-mail para que outras pessoas também possam assinar...
após a leitura do e-mail, poderão acessar: http://www.petitiononline.com/Capanema/petition.html e assinar.
Obrigada e um grande abraço a todos,
Clélia Monastério
Enviado por Cau Barata via e-mail 26-02-2010

domingo, 7 de março de 2010

CARNAVAL DO RIO "Alegria y divisas"

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Publico aqui um artigo do Jornal CLARIN de Buenos Aires do 7 de Março cde 2010. "Alegria y divisas" (do original em espanhol)

Os Carnavais do Rio e São Paulo deixaram a Brasil 557 milhões de dólares em divisas, 9,8 % mais do que em 2009, segundo Embratur. Este ano, as festas do Carnaval bateram recordes de visitantes estrangeiros. Nas rua do Rio se encontraram quase 3,5 milhõesde pessoas (um milhão mais do que o previsto),e, deste número, 800.000 eram turistas (mais do que os 710.000 do ano passado, um 9 % de aumento). Embratur - março 2009.

Gerardo Millone, desde Buenos Aires.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

sábado, 6 de março de 2010

Cristo Redentor passa por restauração.
Obra deve durar mais três mesesFlávio Dilascio , Jornal do Brasil- RIO DE JANEIRO.
Principal ícone da Cidade Maravilhosa, o Cristo Redentor passa por um período de reparos. Há uma semana, o monumento ganhou a companhia de andaimes, técnicos e operários, que vêm executando estudos sobre a qualidade das rochas que compõem a imagem, as quais devem começar a ser restauradas a partir da semana que vem, assim que forem feitas as devidas análises dos problemas externos da estátua. Neste período – que deve durar cerca de três meses – o Cristo será coberto por uma tela transparente, para que fatores naturais não interfiram no processo de restauração.A obra é uma iniciativa da Arquidiocese do Rio, que conta com o patrocínio da mineradora Vale. O investimento total é de R$ 7 milhões. Além da restauração, o compromisso prevê a manutenção e a conservação da estátua e da área do platô pelos próximos cinco anos. Não haverá interrupção da visitação durante este período.– Todos reparos serão feitos de uma forma minuciosa, pois não podemos fazer nenhuma alteração no monumento, que é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) – afirma o padre Omar Raposo, responsável pela capela do Cristo.Reparos internos
Engana-se quem acha que a obra começou agora. No início de fevereiro, foram feitos reparos internos no monumento, os quais culminaram com a recuperação de várias escadas, desgastadas e enferrujadas em função do tempo.– Neste momento, estamos finalizando a montagem dos andaimes para começarmos as análises das rochas que compõem o monumento – informa a arquiteta responsável pela obra, Márcia Braga. Ela foi designada para o empreendimento pela Cone Engenharia, contratada para executar o empreendimento. Especializada, em restauração, a arquiteta participa de um empreendimento no Cristo pela terceira vez.
05/03/2010

sexta-feira, 5 de março de 2010

COLUNA DO ARNALDO BICHUCHER:
"PANELA CARIOCA"
Verão, 42º a sombra, carnaval, muita praia, muita festa, muita agitação.
Definitivamente esse verão ficará na memória de todos nós, transformando-se num marco, num divisor de águas para a cidade do Rio de Janeiro.
Depois de ter sido confirmada como a sede da final da Copa do Mundo de 2014, tendo o Maracanã como palco, depois de ter sido confirmada como a sede dos Jogos Olímpicos de 2016, depois de começar a receber as UPPs (Unidade Pacificadora da Polícia) nas favelas, depois de começar a receber um Choque de Ordem pública, parece que o Rio caiu nas graças e nas garras do mundo.

Já temos uma nova namoradinha!
Depois de Leila Diniz, depois de Helô Pinheiro e de muitas outras, Madona se apaixonou por nós. Madona se apaixonou por Jesus Luz e ele encarna o espírito de todos nós, nos representa e nos apresenta a ela. Só o Rio pode ter um jornal noticiando que “Madona jantou com Jesus no Rio”, até porque ele, o Cristo Redentor, mora aqui.

Madona já nos visita com freqüência, suas filhas vão a praia de Ipanema, a família faz programas turísticos e se transforma num dos principais ícones da promoção da cidade maravilhosa no exterior.
Cidade do Samba e sambódromo fazem do nosso povo astro principal de uma Ópera sem igual, com direito a espectadores sem igual.

Uma semana antes, Beyoncé fez questão de subir o Corcovado para nos ver melhor. É verdade que causou “frisson”, mas a gente gosta disso.
No primeiro dia de desfile, além da nossa nova namoradinha, nosso principal “affair” estava lá no Sambódromo para conferir de perto “o maior espetáculo da terra”. Paris Hilton trabalhou, se divertiu, namorou e, acreditem, sambou.

Menos conhecidos mas não menos importantes para colorir ainda mais nosso carnaval, Nicole Scherzinger, vocalista do grupo Pussycat Dolls e Gerard Butler, ator que atuou com Rodrigo Santoro em “300” deram as caras e ficaram impressionados com o nosso jeito de celebrar a felicidade e a vida.

Temos de estar atentos aos sinais, nesse caso sinais de positividade. Temos que saber trilhar o caminho que nos levará ao verdadeiro sucesso, colhendo os frutos que estamos plantando.
Com a temperatura e os ingredientes que temos, temos que preparar o banquete mais saboroso do mundo.

A Panela Carioca está fervendo!
PS. E finalmente fazer xixi na rua é proibido e da cadeia!!!
Arnaldo Bichucher - Fevereiro 2010.