terça-feira, 29 de junho de 2010

. AMÉLIA DE LEUCHTEMBERG .

Nós Guias, falamos pouco da Amélia de Leuchetemberg, e ela tem muitas histórias para ser contadas, apesar do curto período em que ficou no Brasil. E também, era bonita, discreta e sem duvidas, inteligente para a época.
clip_image002# Era neta de Josephine Beauharnais, primeira esposa de Napoleão Bonaparte. O pai dela, Eugene de Beauharnais, foi nomeado vice-rei de Itália por Napoleão, onde Amélia nasce em Milão, o dia 312 de Julho de 1812.
# Conta uma lenda que Napoleão conheceu a Josephine pelo Eugene (pai da Amélia), quem se apresentou ante a celebridade para pedir a espada do pai morto em batalha, o impacto da atitude do menino incentivou a napoleão a conhecer a sua mãe.
# Passou infáncia e adolescencia em Munique, Alemánia. O avô materno era Maximiliano I de Baviera, dai o titulo do pai: Duque de Leuchtemberg.
# O irmão dela Augusto de Beauharnais foi marido da Maria da Gloria, filha de D. Pedro I e rainha de Portugal. Augusto morre misteriosamente dois meses depois do casamento.
# Ela tinha só 16 anos quando foi procurada e 17 quando cheghou a Rio.
clip_image004
# Em Santos, São Paulo tem uma rua com seu nome no Bairro Ponta da Praia. No Rio existe o Solar da imperatriz, perto do Jardim Botânico, onde ela não morou mas se conta que o prédio foi construido para ela. Hoje funciona como escola de jardineria anexa ao Jardim Botânico.
# Solar da Imperatriz: O imóvel onde se localiza o Solar foi construído em 1750, arrendado, no final do séc. XVIII, e desapropriado por d. João VI, no início do séc. XIX, para a construção da Fábrica de Pólvora, que deu origem ao Jardim Botânico, em 1808.
O local tornou-se conhecido como Solar da Imperatriz, em 1829, pois acreditava-se que o Imperador d. Pedro I o teria dado de presente para a sua segunda mulher, Dona Amélia de Leuchtemberg. http://www.jbrj.gov.br/cultura/solar.htm
clip_image006
# Pedro criou a Ordem da Rosa, com desenho da medalha idealizado por Jean-Baptiste Debret que, segundo discutido por historiadores, ter-se-ia inspirado ou nos motivos de rosas que ornavam o vestido de D. Amélia ao desembarcar no Rio de Janeiro. Um dos primeiros em receber a ordem foi o marqués de Cantalago, por auxiliar a Pedro, Amélia, o irmão dela Augusto, Maria de Glória e a baronesa Slorefeder depois de um acidente com a carruagem na rua do Lavradio conduzida pelo imperador. Ele quebrou duas costelas, todos os outros, menos Amélia, sofreram contusões.
clip_image008# Na Corte se falava “domou a fera”, pois com Amélia o Imperador parecia se comportar fiel, mas na realidade, estava preocupado com fazer sua filha Rainha de Portugal, com as brigas com o irmão Miguel, e pelo firme propósito de manter poder em Europa. E também, Pedro gostava dela. Expressava os ciúmes a viva voz, até controlando a maneira de vestir da esposa.(na gravura Amélia e Maria)
# Ela teve um relacionamento muito carinhoso com Pedro II, ao partir, deixou uma carta para ele e uma cruz de brilhantes, o primeiro presente que Amélia recebeu do marido ao chegar a Brasil.
clip_image010# Ela voltou grávida a Europa, lá nasceu Maria Amélia Bragança, quem podemos ver em um bonito retrato no Museu Imperial de Petrópolis. Amélia volta a Baviera em 1850. A filha, Maria Amélia morreu de tuberculose aos 22 anos.
# Após a morte da filha, Amélia voltou a residir em Lisboa, onde morreu em 26 de janeiro de 1876, aos sessenta e quatro anos. Os restos mortais jazem na Cripta Imperial do Monumento à Independência do Brasil, em São Paulo, trasladados para o Brasil, em 1982 por iniciativa do então governador Paulo Maluf.
# Existe o Palácio de Leuchtenberg está localizado em Munique, Alemanha. Foi construído e projetado pelo arquiteto Leo von Klenze, sob ordens de Eugênio de . Hoje, é a sede do Ministério do Estado Livre da Baviera.clip_image012Beauharnais
# A exposição “Amélia de Leuchtenberg torna-se Imperatriz do Brasil” foi inaugurada no domingo 30 de maio de 2010, no Palácio Leuchtenberg, no Centro Histórico da cidade alemã de Munique. A mostra relata, através do diário de viagem do Conde Von Spreti - que acompanhou a princesa em sua viagem ao Brasil após o casamento por procuração com D. Pedro I -, a experiência e as impressões de ambos no Brasil do século XIX.  Foram expostas, ainda, duas placas e a insígnia da “Ordem Imperial da Rosa”, instituída por Dom Pedro I por ocasião de seu casamento com a princesa Amélia. (02/06/2010) -  http://www.dc.mre.gov.br/
FONTES: Wikipédia, Imperatriz no Fim do Mundo: Ivanir Calado, 1992 / Jardim Botânico / Ministério de relações exteriores.
PESQUISAS
clip_image0132010

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Vila Jardim Santa Cecília em Santa Teresa

Fotos do Tricilo e ruas (Do livro do Felipe Fortuna).

Entre vários e-mails que O GUIA LEGAL recebe cada dia, aparece este do Sr. JOSE TADEU PEREIRA DA SILVA de Pelotas, RS:

“Olá! Boa Noite. O site é muito interessante mas vocês não tem por
aí fotos do bondinho do Condomnio Jardim Santa Cecília em Santa Teresa,
andei muito nele mas na época (1960) não possuia máquina fotográfica”.

Lembreu um dos vários livros que comprei os últimos 13 anos, e a foto estava lá!

Aproveito para colocar esta curiosidade no BLOG!

JOSÉ

Tenho sim as fotos, e estou enviando para você. O TRICICLO ainda existe, e funciona!. O único site na Internet que menciona ele é O GUIA LEGAL. Para tirar foto atual, até para entrar no lugar, devo contatar a Dona Beatriz, a Sindica do Condomínio.

São do livro CURVAS, LADEIRAS de Felipe Fortuna, e as fotos foram feitas por ele.

Ele escreve:

Vila Santa Cecilia 1 "Algumas escarpas, em Santa Teresa, criaram vizinhanças inesperadas. A Vila Santa Cecília, parecida com um vilarejo íngreme, é o melhor exemplo. Quem passa em frente ao estranho edifício amarelo, bem ao lado do Colégio Suíço-Brasileiro, não percebe que sua fachada esconde a entrada de uma gruta, que leva a um caminho sinuoso por uma vertente até o alto do morro. Por dentro do falso edifício, o que existe é uma minúscula estação de onde se Vila Santa Cecilia 2pode caminhar mais de um quilometro por um conjunto surpreendente de sobrados e casas. O mais inusitado é o pequeno triciclo movido a gás que carrega os passageiros, guiado pela roda da frente que se encaixa em um único trilho. De certa maneira, funciona como um elevador, que segue pela montanha numa viagem de mais de quinze minutos, embora só transporte quatro pessoas.

Vila Santa Cecilia 3 A vila já foi praticamente um território estrangeiro de suíços, alemães, franceses. Nada poderia ser mais isolado, já que nenhum carro entra por aqueles caminhos. O triciclo, por sua vez, interrompe as suas lentas viagens por volta das onze horas da noite, e só recomeça às seis horas da manhã. Minha mãe mantinha amizade com uma família estrangeira, e graças a ela eu conseguia andar no triciclo. Pois, se eu estivesse sozinho, apenas pelo prazer de ser transportado naquele veículo que não tinha igual em qualquer outro lugar do mundo, o porteiro me barraria ainda na entrada da vila. Djanira morou ali, numa casa em frente à pracinha. Contam que sua vizinha ganhou de presente vários desenhos e quadros que a pintora fez naquele lugar".

Fonte: Felipe Fortuna, Curvas, Ladeiras, bairro de Santa Teresa, Topbooks Editora 1998.

Me conta se o e-mail chegou bem, obrigado por contatar O Guia Legal!

GERARDO MILLONE

LOGO O Guia Legal-300-LISA

www.oguialegal.com

terça-feira, 22 de junho de 2010

Museu do Amanhã será construído no Porto do Rio

Esta novidade deixará aos Guias de navios com muitas saudades do espaço confortável do embarque, onde será feito o museu. O Espaço é o mesmo que se pensou para o Guggenheim. A música do dia da inauguração deveria ser "O que será o amanhã". Se este projeto e tantos outros dará certo, "responda quem poder...".

GERARDO MILLONE – Junho 2010.

www.oguialegal.com

Arquiteto espanhol afirma que Museu do Amanhã será construído com material reciclável

rio museu amanha O arquiteto espanhol Santiago Calatrava, ao lado do governador Sérgio Cabral e do prefeito Eduardo Paes, apresentou, na tarde desta segunda-feira, o projeto arquitetônico do Museu do Amanhã, que será erguido no Píer Mauá, sendo uma das principais peças do plano de revitalização da Zona Portuária. O arquiteto contou que o museu será construído todo com material reciclável.
Baía de Guanabara, Morro da Conceição, Mosteiro de São Bento e Vista Chinesa são alguns dos locais que inspiraram o projeto do museu. As obras estão previstas para serem concluídas no segundo semestre de 2012.
Calatrava é considerado um dos maiores arquitetos da atualidade. Seus trabalhos são inspirados na natureza, marcados por elementos assimétricos e soluções móveis e dinâmicas. Entre suas obras mais famosas estão a Cidade das Artes e das Ciências em Valência, na Espanha; o Museu de Arte de Milwaukee, nos Estados Unidos; a Estação do Oriente, em Lisboa; a Torre de Montjuïc, em Barcelona; o Complexo Olímpico de Atenas e a Estação Ferroviária do Aeroporto de Lyon, na França.

Redação SRZD | Rio+ |

Santiago Calatrava apresenta no Rio o Museu do Amanhã

O projeto arquitetônico considera que, no futuro, a zona portuária estará livre do Elevado da Perimetral (Foto: Divulgação)

Em uma apresentação com características de espetáculo, marca registrada do arquiteto espanhol Santiago Calatrava, a prefeitura do Rio apresentou oficialmente, na tarde desta segunda-feira, o museu que promete ser um novo marco arquitetônico da cidade. O Museu do Amanhã, com previsão de inauguração no segundo semestre de 2012, ocupará 12,5 mil metros quadrados do Píer Mauá com um espaço dedicado ao conhecimento, às questões do homem moderno e, claro, ao futuro. A 'casca' do projeto não poderia ser mais futurista: Calatrava inspirou-se no movimento das plantas para criar uma estrutura que se abre para permitir a entrada de luminosidade no prédio, que, entre outras inovações, promete também estar à frente de seu tempo em matéria de sustentabilidade.

O show foi comandado pelo apresentador do 'Fantástico', da TV Globo, Zeca Camargo, escolhido para o papel de mestre-de-cerimônia no Armazém 2 do Porto. A Fundação Roberto Marinho é parceira do município no projeto, que tem custo estimado de 130 milhões de reais. Calatrava deu seu espetáculo, esboçando traços em uma aquarela enquanto falava para o público. Mas não deixou de se render à paisagem do Rio. "Morro do São Bento, Jardim Botânico, Jardins do Burle Marx, Confeitaria Colombo, Passarela do Samba e tantos outros pontos. Estou há alguns meses estudando a cidade, sua arquitetura e natureza belíssimas para conceber um projeto arquitetônico que traduza tudo isso", disse ele.

Para receber este nome, obviamente o Museu do Amanhã não se dedica ao passado. O texto de apresentação do projeto detalha o percurso que os visitantes farão pelo corpo da 'lagarta' que começará a ser moldada em 2011 sobre o píer. O passeio começa pelo Atrium de Hoje, dedicado ao estado atual do conhecimento e da humanidade. Em seguida, passa-se à Travessia das Perguntas. Depois, por uma "espiral cósmica", começa uma viagem da Terra em direção às galáxias, mergulhando no interior dos átomos. Neste ponto, haverá uma estrutura semelhante à dos planetários. A última parte é dedicada à Estação do Clima, ao Porto das Origens - sobre desenvolvimento da vida e crescimento das populações -, à Praça do Agora e à Plataforma do Futuro - estas últimas sobre integração econômica e diversidade.

Descontada a semelhança que, no estágio atual, o projeto tem com os enredos de escola de samba, tudo leva a crer que o Museu do Amanhã proporcionará ao público uma experiência, no mínimo, bem diferente da que se tem nos museus disponíveis hoje no Rio. O projeto arquitetônico, assim como todas as estruturas concebidas para o chamado Porto Maravilha, considera que, no futuro, a zona portuária estará livre do Elevado da Perimetral. Esse monstro de concreto que se estende da Praça Quinze, onde fica o Paço Imperial, até a Praça Mauá, onde se localiza o porto, prejudica a vista do Centro da cidade que se poderia ter a partir da área revitalizada. 

Calatrava manifestou seu desejo de ver o viaduto no chão. "A Perimetral não inviabiliza o museu, mas sem ela é que se tem a real integração do museu com a Praça Mauá e a natureza", defendeu ele.

Para a Prefeitura, porém, isso ainda vai demorar a acontecer: "Demolir a Perimetral é mole. Difícil é construir o túnel que será a opção de caminho. Estamos falando de 1 bilhão de reais só para a demolição da Perimetral. E esses recursos ainda não estão viabilizados. Não viemos aqui prometer essa demolição mas espero que em breve ela esteja longe das nossas vistas", disse Paes. O prefeito evitou cravar uma data para por abaixo a Perimetral, mas o secretário municipal de Desenvolvimento e presidente do Instituto Pereira Passos, Felipe Góes, estimou o início da derrubada para 2013 - ou seja, depois da inauguração do Museu do Amanhã.

21 de junho de 2010

Por Dani Telles - VEJA RIO

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Cristo redentor: Terminan as obras.

O Cristo aparece!

Coloco aqui foto tirada com telefone o dia 2 de Junho 2010, com o CRISTO APARECENDO para felicidade de todos, porém, ainda temos que conferir cada dia se está aberto o acesso.

GERARDO MILLONE

www.oguialegal.com

Cristo fim obras 3 BAIXA FOTO 2 DE JUNHO 2010 ÁS 16:15 H.

 

Cristo Redentor ficou encoberto durante restauração
(Foto: Marco Antônio Teixeira/Agência O Globo)

Do G1 RJ

Cristo Redentor encoberto durante restauração

Após cerca de quatro meses de restauração, a obra do Cristo Redentor, que deixou o monumento encoberto, terminou. Com a retirada dos andaimes e das telas, cariocas e turistas já conseguem ver nesta quarta-feira (2) o Cristo de "cara nova".

Segundo o Parque Nacional da Tijuca, que administra o patrimônio, a retirada dos equipamentos só deve terminar em dez dias, já que depende de boas condições climáticas.
As obras começaram no final de janeiro e tiveram custo de R$ 7 milhões. Símbolo do Rio de Janeiro, o monumento não ficou fechado à visitação por causa das obras.

No entanto, por causa de deslizamentos na estrada que dá acesso ao local, causados pela chuva que atingiu a cidade em abril, o monumento ficou fechado aos turistas. Além disso, o acesso chegou a ser bloqueado durante um protesto de servidores.

O contrato entre a mineradora Vale, responsável pela reforma, e a Arquidiocese do Rio prevê também a manutenção e conservação da estátua e da área do platô até 2015.
Segundo a empresa, um estudo realizado no monumento detectou perda do mosaico de pedra-sabão que reveste a estátua, algumas pequenas rachaduras, desnível de rejuntes e também manchas de umidade.

Patrimônio nacional


Em dezembro de 2009, o Cristo Redentor foi tombado definitivamente como patrimônio nacional. O monumento, de 38 metros de altura - localizado no Morro do Corcovado, dentro do Parque Nacional da Tijuca - foi inaugurado em 1931. Seu tombamento provisório estava em vigor desde 2008.
O projeto foi do engenheiro Heitor da Silva Costa. Quem desenhou a estátua foi o artista plástico Carlos Oswald, e seu escultor foi o francês de origem polonesa Paul Landowski. A estátua, feita de pedra-sabão, foi eleita uma das novas sete maravilhas do mundo no dia 7 de julho de 2009.